Uma breve história da marijuana

A marijuana é provavelmente uma das plantas medicinais mais antigas da história humana

Há evidências da sua civilização de uso medicinal após a civilização e, no entanto, o boom social que temos experimentado ao longo do último século coincidiu com o seu período de criminalização. À medida que os resultados de cada vez mais investigação são revelados, começamos a compreender o seu valor científico. Em seguida, vamos contar uma breve história de marijuana com tudo o que sabemos até hoje, uma cronologia com todas as evidências históricas da Maria.

2900 a.C. – A marijuana é reconhecida na China como uma erva medicinal

O imperador chinês Fu Hsi refere-se à marijuana como um medicamento popular equilibrado possuído por Yin e Yang.

2700 a.C. – Marijuana no Oriente

Outro imperador chinês, Shen Nung, descobre as propriedades curativas da marijuana, ginseng e efedrah.

1500 a.C. – A primeira referência escrita na cultura oriental

A primeira referência escrita conhecida à marijuana encontra-se numa enciclopédia farmacêutica chinesa.

1450 a.C. – A Primeira Aparição da Marijuana no Antigo Testamento da Bíblia

A versão hebraica original do Êxodo descreve uma pomada oleosa sagrada (30:22-23) contendo mais de 3 kg de kaneh-bosm. Kaneh-bosm (ou cânhamo perfumado) foi identificado como cannabis infundido com azeite e outras ervas aromáticas.

1213 a.C. – Canábis no Antigo Egito

O pólen de canábis é encontrado no túmulo de Ramsés II. Os médicos egípcios prescreveram canábis para glaucoma, anti-inflamação e como enemas.

1000 a.C. – Canábis na Índia

Bhang é uma bebida de canábis misturada com leite que na Índia foi usado como anestésico e mucolítico, além de tratar outros tipos de doenças. É o início do uso medicinal de marijuana na Índia.

700 a.C. – O Uso da Marijuana no Médio Oriente

No livro Venidad del Zend-Avesta, os textos sagrados persas encontram evidências escritas do ano 700 a.C. referem-se a Bhang (a bebida indiana composta de leite misturado com canábis) e a marijuana é listada como a mais importante das 10000 ervas medicinais.

600 a.C. – Canábis na Índia como tratamento para leprosos

Num dos mais importantes livros médicos da cultura indiana, Sushrita volta a citar a canábis como um mucolítico e tratamento para leprosos.

200 a.C. – Canábis Medicinal na Grécia Antiga

Na Grécia Antiga começaram a usar a canábis como remédio para infeções nos ouvidos, edema e anti-inflamação.

1 Depois de Cristo – Marijuana em Livros Médicos Chineses

Num enorme compêndio da medicina chinesa que foi recolhido no ano 1 depois de Cristo (Pen Tsai Ching) é um pictograma (personagem chinês 麻) da planta de canábis. Lembre-se da folha de cannabis como se estivesse sendo seca sob o telhado de um barracão. Este livro recomenda que a marijuana trate mais de 100 patologias.

uma breve história de canábis

história da canábis
30 Depois de Cristo – Jesus usa pomada de canábis

O Novo Testamento da Bíblia menciona que Jesus comeu os seus discípulos com uma substância psicoativa muito potente. Na verdade, há teorias de que Jesus curou os doentes com o óleo referido no antigo testamento. Cristo significa o “ungido” e Cristo deveria ser ungido com Chrism o super-poderoso óleo de canábis que outros padres também costumavam ter visões e falar com Yahweh. Resíduos de canábis foram encontrados em embarcações na Judeia e no Egito num contexto que tem de ser feito não só com o seu uso médico, mas também com o seu uso psicoativo.

70 Depois de Cristo – Canábis na Roma Antiga

Pedanius Discorides, um médico grego que era médico no exército romano, tinha estudado muitas ervas e plantas medicinais que compilou no seu livro “De Materia Medica”. Apesar de ter publicado este livro tão cedo na história, esta era uma referência para a medicina até o início do século XVI. Este livro incluía as plantas femininas e masculinas de canabis, kannabis agria e kannabis emeros, respectivamente. Desímes alegou que o cânhamo além de fazer cordas e tecidos tinha usos terapêuticos para tratar dores nos ouvidos e até eliminar o desejo sexual. Em 79, um sábio romano escreveu que as raízes da planta de cânhamo fervida em água quente são capazes de aliviar a dor nas articulações, a gota e outras dores severas.

200 Depois de Cristo – O uso de canábis anestésico na medicina chinesa

O renomado cirurgião chinês Hua To, que praticou operações de órgãos tão complexas como os intestinos, usou uma mistura de bebidas espirituosas com resina de canábis (ma-yo para anestesiar os pacientes e eliminar a dor durante as suas operações.

800-900 DEPOIS de Cristo – O Dilema da Canábis no Médio Oriente – Medicina ou Veneno?

Na época romana, a canábis era usada medicinalmente no Médio Oriente como remédio para uma grande variedade de doenças, desde enxaquecas simples a infeções tão graves como a sífilis. No entanto, um médico árabe contemporâneo, Ibn Wahahiyah, escreveu alertando para os potenciais efeitos do haxixe que descreveu como veneno letal.

1500 DEPOIS de Cristo – Médicos Muçulmanos usam Maria para reduzir o desejo sexual

No início do século XVI, quando o Islão se expandia através da Índia, alguns médicos persas estudaram os efeitos da canábis focando-se nos efeitos tardios. Entre outros, usaram canábis para inibir o desejo sexual.

1538 AFTER Christ – Cannabis in the Middle Ages

Durante a Idade Média, a canábis fazia parte de qualquer boticário como uma das ervas medicinais mais importantes. William Turner, o naturalista britânico que é considerado o primeiro botânico de canábis no seu livro “New Herball” publicado em 1538.

1578 – Usos de marijuana na medicina tradicional chinesa

Uma grande compilação da Medicina Tradicional Chinesa (Ben Cao Gang Mu 本草纲目) descreve vários usos de Maria, incluindo alívio de náuseas, infeções parasitárias e sangramento. Na China durante este tempo, A Maria foi usada como um remédio muito popular para tratar diarreia e anorexia estimulando o apetite.

1600 depois de Cristo – Shakespeare podia ter fumado marijuana

No jardim da casa de Shakespeare foram enterrados 24 fragmentos de cachimbos fumadores que foram analisados encontrando vestígios de nicotina, cocaína peruana e canábis. Thackeray um manuscrito que nunca foi publicado mostra que Shakespeare gostava de usar a canábis como estimulante e pelos seus efeitos psicoativos.

história da marijuana

1611-1762 – La Maria chega e cresce na América do Norte

Os colonos de Jamestown trouxeram a planta de canábis para a América do Norte em 1611. Durante todo o período colonial a fibra de cânhamo foi uma das exportações mais importantes. Em 1762, o Estado da Virgínia concedeu subsídios aos agricultores de cânhamo e impôs multas àqueles que não o cultivavam.

1621 – Canábis para tratar a depressão

“Anatomia da Melancolia” de Robert Burton menciona a canábis como um possível tratamento para a depressão.

1799 – As tropas de Napoleão trazem marijuana do Egito para a França

Napoleão invade o Egito com tropas, incluindo uma equipa científica. Além da descoberta da pedra de roseta, a equipa traz canábis para França para ser posteriormente investigada pelos seus princípios sedativos e analgésicos, pelo que começa a ser aceite na medicina ocidental.

1840 – Rainha Vitória e Marijuana Médica

A canábis é reintroduzida na medicina britânica graças a William O’Shaughness e a um cirurgião de guerra inglês que tinha feito o serviço na Índia. Na época vitoriana foi usado em inúmeros tratamentos para diferentes doenças. Entre outros, a Rainha Vitória usou marijuana para aliviar as dores menstruais. Durante este tempo, a canábis tornou-se popular e “normal” novamente na medicina ocidental.

Farmacopedia americana

1850 – Canábis aparece na Farmacopedia Americana

Eua farmacopedia cannabis

1906 – A canábis juntamente com outros medicamentos devem ser rotulados

Numa iniciativa de segurança dos consumidores em 30 de junho de 1906, o Presidente Roosevelt assinou a Lei Wiley que regulamentaria a rotulagem dos produtos para evitar que produtos venenosos ou perigosos se colocassem no mercado. A cannabis também foi regulada.

1915-1928 – O início do controlo e restrição da canábis

O primeiro Estado a aprovar a lei anti-marijuana foi o Utah, em 1915, que se juntou gradualmente aos diferentes estados norte-americanos até que em 1927 já havia 10, incluindo Nova Iorque. A tendência restritiva espalhou-se globalmente e, em 1925, a Liga das Nações assinou um tratado multilateral que limita o uso da canábis apenas para uso médico e científico. O Egito propôs a adição de resinas de canábis (haxixe) à lista de narcóticos a serem tratados na convenção. Foram impostas restrições à importação e exportação de canábis e, em 1928, foi adicionada à Lei das Drogas Perigosas do Reino Unido, tendo adicionado cocaína em 1920.

 

1930 – Empresas farmacêuticas dos EUA continuam a vender droga com Maria

Apesar das restrições e regulamentos da canábis, a procura crescente de medicamentos contendo marijuana faz com que as empresas farmacêuticas dos Estados Unidos continuem a basear os seus medicamentos na canábis como analgésicos e sedativos.

1936 – Novos analgésicos sem marijuana e consciência social da marijuana como uma droga perigosa

No final de 1936, todos os estados norte-americanos tinham posto em circulação leis restritivas de marijuana. O uso medicinal começou a diminuir devido à substituição por novas substâncias ativas, como aspirina, morfina, outros fármacos derivados do ópio que substituem a marijuana no tratamento da dor na medicina ocidental. Além disso, nesta altura o filme “Reefer Madness” foi popularizado em que a história dos vícios do jovem protagonista é contada sobre o fim em mortes, escândalos sexuais e loucuras. Este filme tinha sido financiado por um grupo religioso e originalmente chamava-se “Tell Your Children” apelando à fé de todos os pais do país.

1937 – Lei Fiscal de Maria

Devido ao vício, à violência e à criminalidade dos utilizadores de marijuana nos Estados Unidos, numa moção para regular o seu uso e acessibilidade pelo povo, foi assinada uma Lei fiscal sobre a marijuana que iria registar desde o cultivo até ao comprador final de marijuana. Embora não diretamente proibidos, os efeitos eram semelhantes. As prescrições médicas de marijuana diminuíram, uma vez que a maioria dos médicos achou mais fácil recorrer a outros medicamentos do que passar por todos os procedimentos burocráticos envolvidos na prescrição de marijuana médica aos seus pacientes. Além disso, nessa altura todos os Estados foram criminalizados pela posse e venda de marijuana.

1937 – O primeiro recluso para venda de marijuana nos Estados Unidos

No primeiro dia em que a lei federal entrou em vigor, o FBI e a polícia de Denver Colorado realizaram uma rusga ao Hotel Lexington e prenderam Samuel R. Cadwell e Moses Baca. O primeiro foi detido para venda e o segundo, o seu cliente, como titular de uma substância restrita. Caldwell foi condenado a quatro anos de trabalho forçado numa prisão e a uma multa de 1.000 dólares e Baca foi presa por 18 meses. Ambos cumpriram a sentença completa.

ilegalização de marijuana

marijuana retirada da farmacopedia dos EUA

1942 – Marijuana removida da Farmacopedia americana

1961 – As Nações Unidas elaboram um plano para o futuro da proibição da marijuana

A Convenção das Nações Unidas sobre estupefacientes, em 1961, estabelece o artigo 49.º:“O uso de canábis fora da esfera científica e medicinal deve ser interrompido o mais rapidamente possível em menos de 25 anos”. O Congresso aprovou esta convenção em 1967 e três anos depois foi aprovada a Lei abrangente de Prevenção e Controlo do Abuso de Drogas que estabeleceu as bases para as leis federais anti-marijuana que conhecemos hoje.

1964 – THC é sintetizado pela primeira vez

O principal componente psicoativo da marijuana foi detetado em 1964 por Raphael Mechoulam, professor de medicina química na Universidade Hebraica de Jerusalém. Foi também o primeiro a sintetizar o THC, ingilizando-o de outros canabinóides.

1968 – Presidente Johnson cria o BNDD O Gabinete de Estupefacientes e Drogas Perigosas

O aumento dramático do uso de marijuana e de outras drogas ilegais na segunda metade da década de 1960 foi preocupante. Em resposta, foram criadas agências para combater o abuso de drogas no país, incluindo a marijuana.

1970 – A Lei das Substâncias Controladas classifica a marijuana como não aceite para uso médico

Congresso aprova o A lei das substâncias regulamentada como medida preventiva de abuso de drogas e qualifica a marijuana na rubrica 1, substâncias com grande potencial de abuso, não aceitando a sua utilização medicinal em tratamento nos Estados Unidos e a sua utilização como insegura sem supervisão médica.

1976 – A marijuana é descriminalizada nos Países Baixos

A descriminalização da canábis nos Países Baixos é de facto adotada. Em 1980, os locais chamados cafés começaram a surgir em que a compra de pequenas quantidades de canábis por adultos é informalmente tolerada e, em seguida, formalmente em estabelecimentos que adquiriram uma licença.

sistema endocanabinóide

1990 – Cientistas descobrem recetores canabinóides

Mile Herkenham Investigadora Sénior no Instituto Nacional de A Saúde Mental juntamente com a sua equipa de pesquisa descobrem o sistema recetor canabinóide que ajuda os cientistas a entender melhor os efeitos farmacológicos dos canabinóides que ocorrem quando o THC se liga aos recetores canabinóides no cérebro.

1992 – A descoberta do primeiro Endocanabinóide

Após 28 anos da descoberta do THC Mechoulam (o descobridor do THC) com William Devane e Lumir Hanus identificam o primeiro canabinóide endógeno no nosso cérebro – a versão natural do THC criada pelo organismo humano a que chamam anandamida sânscrito “ananda” que significa felicidade eterna. O exercício intenso estimula a secreção da anandamida e esse sentido eufórico de bem-estar. As primeiras hipóteses começam a formar que o sistema endocannabinoide é capaz de mediar emoções, consolidar a memória e coordenar movimentos.

1996 – Califórnia é o primeiro estado a legalizar a marijuana médica

1998 – Alasca, Oregon e Washington juntam-se à legalização do uso médico da marijuana

2003 – O primeiro doente com VIH no Canadá a receber tratamento de marijuana criado pelo governo

legalização da marijuana

Para a legalização da canábis

2003 – Farmácias holandesas começam a comercializar marijuana médica

2004 – A Grã-Bretanha reclassifica a canábis e reduz as sanções

A requalificação da canábis de B a C é aprovada, o que significa menos penalizações por posse do fármaco. Em maio de 2008, requalificado sob a rubrica B e as penas de posse ascenderam a 5 anos de prisão.

2010 – Nova Jérsia torna-se o 14º Estado a legalizar a marijuana médica

2014 – Nova Iorque é o 23º Estado a legalizar a marijuana médica

2018 – FDA aprova primeiro medicamento à base de marijuana

Epidiolex um fármaco que contém óleos canabinóides puros de CBD é aprovado para tratar sintomas de alguns casos raros de epilepsia em pacientes com mais de dois anos de idade. A aprovação deste fármaco é o primeiro sinal de que todo o esforço científico para demonstrar com precisão os benefícios dos ingredientes ativos da canábis têm a sua recompensa legal.

2018 – Presidente Trump legaliza cânhamo industrial

O cânhamo industrial que não contenha THC canabinóide psicoativo é legalizado para cultivo e marketing.

2019 – O Governo dos Estados Unidos concede um investimento de 3 milhões de dólares para o estudo do CBD medicinal, sublinhando que nenhum desses dólares será gasto em pesquisas sobre sub-produtos que contenham THC.

2020 – A marijuana médica é legal em 35 estados dos EUA e o seu uso recreativo em 11 desses estados.

Itens relacionados

Subscreva a nossa newsletter

Inscreva-se e receba um desconto de 10% na sua compra.

Te facilitamos una guía de uso gratuita
La enviamos al mail gratuitamente

Te facilitamos una guía de uso gratuita

La enviamos al mail gratuitamente

Sólo por suscribirte a la lista de correo, recibirás inmediatamente una guía de uso de nuestros aceites

¡Te ha suscrito correctamente! Utiliza tu código HIGEA10 para recibir el descuento

0
Tu compra
Abrir chat
Preguntas a Higea CBD
Haciendo clic en aceptar. Acepta que Higea CBD tenga el contacto con usted.